Treinador do Sporting Despedido: Vamos passar dez minutos com esta m*rda!

Antes de tudo gostaria de dizer que não peço desculpa pelo meu uso da língua portuguesa.*

Segundo, gostaria de reafirmar que isto é, de facto, um blog que encontrou maior ênfase em comida e fotografias (já sem falar que está maioritariamente escrito em inglês). No entanto, isso não exclui (ou excluirá) uns esporádicos artigos/posts sobre qualquer outro tema, como é o caso presente.

Admito-o: não costumo ver o noticiário. Quanto mais o noticiário do meu país, visto que sou emigrante. Ora, por ventura, hoje decidi ir ao site da RTP e ver a emissão gravada de 13 de Fevereiro 2012.**

Ora bem, qual foi a primeira coisa que me veio ao ecrã? Domingos Paciência, até então treinador do Sporting foi despedido.

Continue reading

Happy International Dia da Mulher!

So let’s close the salary gap! I’ve just found this video with working grannies (term used loosely) and, despite the extra skin exposure, these chicks look cool.

But the message is simple. Women have to work longer to earn the same amount as men: according to the video’s producers (the site has a sort of manifesto), an extra 3 months of work per year is needed to tip the scales. I know three months to a year seems relatively little, but this adds up! For a man’s 4-year wages, a woman needs to work 5 and that just doesn’t seem fair.

Who else thinks it’s totally cool that Benny Benassi “gave his blessing”?

Feliz Dia Internacional da Mulher! Agora vamos acabar com a diferença salarial! Acabo de encontrar este vídeo de avós trabalhadoras e, apesar da escolha de roupa, elas parecem fixes.

A mensagem é simples. As mulheres têm de trabalhar durante mais tempo para ganhar tanto quanto um homem: de acordo com a companhia que produzio o vídeo (o site tem um manifesto) elas têm de trabalhar três meses extra cada ano por ano “masculino”. Sei que isto parece relativamente pouco, mas isto acumula! Para obter o que um homem ganha em 4 anos, é preciso elas trabalharem 5. Querem passar para as décadas? Apenas não parece justo.

Já gora, quem mais acha porreiríssimo que o Benny Benassi tenha pessoalmente dado a sua autorização do uso da música e do vídeo?

[Peço desculpas já por qualquer erro ortográfico que por aqui se encontre; já faz tempo desde a última vez que escrevi em português. Isso e nem faço ideia de como o acordo ortográfico mudaria isto…]

Cavaco, Cavaco…

Verdade seja dita: atrasei-me nas notícias. A internet faz-me falta quando se fala daquilo que acontece fora do Reino Unido (e dentro!). Por causa de razões técnicas, não tive acesso à rede global da informação e, por extensão, só soube do seguinte hoje:

O casamento civil entre dois membros do mesmo sexo agora é legal em Portugal

Continue reading

Convite

“Vem conversar, eu pago as imperiais e o café”

É assim que começa uma das melhores músicas portuguesas que alguma vez ouvi. Chama-se “Convite” e é interpretada por Jorge Palma e os Clã. Faz parte da colectânea ” UPA 08″, um CD compilado pela Associação Encontrar+se. É um CD feito para angariar fundos para a associação, que ambiciona acabar com a discriminação das doenças mentais.

Continue reading

A Indignidade Paradóxica

Desde Janeiro 2009, a maioria dos países-membros da CPLP (Comunidade de Países de Língua Portuguesa) terá mudado a sua ortografia para aquela acordada no famoso (ou melhor, infame) Acordo Ortográfico (que, por mim, não devia ser referido como começando por maiusculas). Pelos vistos, Portugal está a adiar o processo de integração.

Tal notícia deixa-me num estado ambivalente: em primeiro lugar, sinto um certo alívio, não tendo de repentinamente mudar para um português semi abrasileirado; em segundo lugar, encontro em mim o crescimento do monstro chamado indignidade.

Por menos que concorde com o acordo ortográfico, há que aceitar (vinde aspas) a decisão governamental no caso.
– Não concordo, não gosto e não escreverei correcção sem um “c” mudo! – ouvir-me-ão exclamar – Se quiserem que eu escreva alguma coisa em português, fiquem já a saber que vai ser escrito à moda antiga. Se não gostarem, arranjem-me alguém para converter os meus textos para a nova ortografia porque eu não o farei!

Agora, imaginem a minha cara, o meu espanto, a minha indignação aliás, quando vejo nas noticias que o governo Português parece estar a adiar a integração da nova ortografia.

Ora bem, depois de todo este trabalho de ter nadado contra a corrente anti-acordo, vão repentinamente virar as costas na promessa que fizeram (lembremo-nos que o acordo está assinado)? Caro governo Português, podem ser muitas coisas e agir de muitas formas, mas por favor não me venham fazer figuras de crianças indecisas, pedindo uma coisa e achando-a horrorosa meio segundo depois. Assumiram um compromisso e não estão a cumprir a vossa parte. Como tal, deixam outras nações ter a ideia que Portugal tem um governo mal coordenado, desajeitado e com problemas quando se fala de compromissos. Já era mau o suficiente o acordo ter sido assinado com o nosso nome quando a nossa população não o queria, mas agora encolhem-se face o trabalho de rever a literatura lusófona toda!

Um pedido: decidam-se!